Últimos Vídeos

Visite a TV DeClara!

Inspirar

O mito da futilidade feminina: o que é e como nos afeta?

A expressão “futilidades femininas” tem nada menos do que 359 (!) mais menções no Google do que “futilidades masculinas”. E você sabe por quê? Porque todo conceito de futilidade é sexista. E, por isso, precisamos falar sobre o mito da futilidade feminina.

O que é “futilidade”?

No dicionário, “futilidade” significa: “banalidade, inutilidade, coisa irrelevante.

Já na prática, curiosamente, a palavra costuma ser associada ao que é comumente entendido como feminino.

Moda é fútil.

Maquiagem é fútil.

Comédias românticas são fúteis.

Livros de romance femininos são fúteis.

E, assim, eu já começo o texto dizendo que todo o conceito popular de futilidade é sexista. Se você não vê sentido nisso, respire fundo e leia até o fim.

Futilidades X interesses

Gostar de futebol, ficção científica, videogames, MMA, relógios, cerveja, sinuca, moto,, poker… Nada disso é visto como fútil. São interesses! Todo mundo precisa de hobbies!

E o que separa os interesses das futilidades?

O gênero.

Enquanto todos esses interesses são associados ao masculino, as futilidades transitam – surpresa! – no universo da feminilidade.

E os números, como sempre, confirmam isso.

A expressão “futilidades femininas” tem nada menos do que 359 (!) mais menções no Google do que “futilidades masculinas”.

Outra camada do sexismo, é válido mencionar, faz com que as mulheres que se atrevem a nutrir interesses “masculinos” sejam frequentemente vistas como vulgares.

A tal da “beleza natural”

Como falar sobre futilidade sem passar pela ideia de beleza natural?

Mulheres que se importam com moda, beleza, corpo são fúteis. As que não se importam são desleixadas e indesejáveis.

A solução, portanto, parece ser só uma: a beleza natural perfeita. A mulher que atende a todas as expectativas do padrão, mas nunca se preocupar com isso. Ela come o que quer, odeia corretivo e lava o cabelo com sabão. Ela não perde tempo com bobagens. Chega aos 50 sem rugas. Ela simplesmente acorda assim.

Infelizmente, a não ser (talvez) por uma ou outra loteria genética, a tal da “beleza natural” está sentada ao lado dos unicórnios na fila das coisas que gostaríamos que fossem reais, mas não são.

O mito da futilidade feminina

Coisas para lembrar antes de chamar uma mulher de fútil por seus interesses ou hobbies.

1. O que você vê como futilidade pode ser a carreira de outra pessoa. Ou um refúgio, lugar de expressão artística, sonho, coleção ou só um passatempo mesmo.

2. Ninguém é produtivo o tempo todo. Você não se entreter com algo que o outro gosta não invalida a atividade. Por incrível que pareça, você não é a régua do mundo.

3. Mulheres são vítimas de pressão estética a vida inteira. É desonesto exigir que não liguem pra aparência por um lado… E, do outro, medir seu valor social por beleza e juventude.

Você já foi chamada de fútil por gostar de moda, maquiagem, beleza e “coisas de menina”? Em que situação? Comente e compartilhe esse texto com mais mulheres para que possamos tirar essa palavra do vocabulário das pessoas!

Ei, acompanhe também o @clarafagundes para mais conteúdos educativos e feministas!

meu pai blog declara clara fagundes dia dos pais 2020
Sem categoria

Para o meu pai

Este texto é uma declaração de amor ao meu pai. Um abraço virtual de uma filha em quarentena em São Paulo. É, também, um pedido concedido. Ele sempre me pede mais posts aqui no blog e não entende porque agora estou postando mais no instagram e no Youtube. “Não se esqueça do blog, viu? E o facebook? Postou alguma coisinha lá esses dias? Eu não vi…” Agora, vai ver. E vai ser para ele.

Clique para ler mais
coisas para não dizer a um nordestino clara fagundes
Inspirar

Coisas para não dizer a um nordestino

Se você me acompanha aqui pelo blog ou nas redes sociais, já sabe: sou aracajuana, mas moro em São Paulo desde os 16 anos. De lá para cá, já ouvi muitas pérolas e passei por bastante preconceito por ser nordestina. Ou seja, minha lista com coisas para não dizer a um nordestino poderia ter 10, 15, 20 frases… Escolhi 5 por serem as mais comuns.

Recomendo também ver este vídeo sobre preconceito contra nordestinos, separados em categorias, para um tutorial mais completo. Mas vamos lá às 5 coisas para não dizer a um nordestino, a uma nordestina… E, de preferência, a ninguém.

top 5 aprendizados do Creators Boost clara fagundes
Inspirar

TOP 5 aprendizados do Creators Boost 2020!

O Creators Boost é um programa de aceleração de criadores de conteúdo realizado pelo Youpix. Como disse ontem, estou participando da edição de 2020. Tive vontade de compartilhar meus 5 principais aprendizados do Creators Boost 2020 porque quando pesquisei sobre a imersão, antes de participar, encontrei pouquíssimos conteúdos. Bom, vamos à minha curadoria de insights do dia 2!

5 aprendizados do Creators Boost 2020 – dia 2!

1. Mais uma vez: mimo não paga boleto. Precificar corretamente evita uberização do mercado.A partir de hoje, eu e a minha casa serviremos a Passa, daBrunch Agency. Ela disponibilizou uma planilha para precificação de conteúdo, jogou no lixo a continha “número de seguidores X R$0,01”, mostrou por a + b + c que criadores não podem trabalhar por permuta.Mimo é massa, mas não é dinheiro e não paga boleto. Clique para ler mais

top 5 aprendizados creators boost 2020 clara fagundes blog declara
Inspirar

Creators Boost: TOP 5 aprendizados do dia 1!

Nesta semana, estou participando (virtualmente) do Creators Boost, um programa de aceleração de criadores realizado pelo YOUPIX. Como é uma imersão que está me gerando vários insights, achei que seria legal compartilhar com vocês a minha curadoria rapidinha com os TOP 5 destaques do primeiro dia.

TOP 5 aprendizados do dia 1 do Creators Boost!

1. Variety Content (ou “conteúdo de variedades”) morreu.

Tudo bem abordar diferentes temas, desde que estejam sempre conectados à sua linha editorial. Um exemplo recente que encontro no DeClara, a minha plataforma de conteúdo, é o vídeo “10 mentiras que os filmes contam sobre mulheres”. Afinal, amo cinema, mas não é uma editoria. Então, trouxe o assunto para a minha linha editorial, ao falar sobre cinema abordando educação e feminismo. Clique para ler mais