Sentir

Não tenho medo de morar sozinha

O problema de morar sozinha

Vou contar pra vocês umas coisas sobre morar sozinha em outra cidade.

Não, não vejo problema em passar o fim de semana em casa sem ninguém.
Não ligo de cozinhar, se preciso, nem de pedir delivery, ou de não ter com quem conversar se chegar em casa e ela estiver vazia.
Cheguei num nível em que não vejo problema nem em ficar doente sozinha, pra cês verem.

Meu medo e meu problema são essas coisas que acontecem comigo e com as mulheres ao redor, numa frequência assustadora.
Meu medo é do cara que senta na minha frente ou ao meu lado no metrô se insinuando com gestos e me engolindo com os olhos.
Meu medo é do homem que se enrosca em mim no ônibus, não importa o espaço, não importa pra onde eu me mova.
Meu medo é do senhor que me segue no meio da rua e do homem que me chama de vadia porque eu não respondi ao insulto que ele jura que é elogio.
Meu problema é com o cara que me segura pelo braço e grita pra eu responder o bom dia dele, PORRA, que ele tá falando comigo.
Meu problema é com o motoqueiro andando devagarinho ao meu lado me chamando de moreninha, dizendo que precisa falar comigo, que ele quer me mostrar uma coisa bem legal.
Meu problema é com o doente que começa a se masturbar na minha frente no cinema porque “não conseguiu resistir”.
Meu problema é com o cara que me vê sozinha na fila do cinema e acha que a função dele é me fazer companhia (como seu namorado te deixa sair assim?) e tenta me beijar no meio do filme do nada.
Meu problema é com o idoso safado que parece perdido, eu vou “ajudar” e ele também me assedia, até porque babaca também envelhece, não é mesmo?
Meu problema é que essa listagem que era pra ser hipotética, de hipotética não tem nadinha.

Então, que fique bem claro, não sinto medo e nem vejo problema algum em morar sozinha pelo “ficar sozinha”. Meu problema é que mulher sozinha é um alvo danado. Nos ônibus, no metrô, na rua, no cinema, no shopping, no caminho para o trabalho e até na internet.

Meu problema é ser mulher e sentir medo o tempo inteiro.

Clique aqui para ler mais posts da tag Feminismo do Declara!

Foto: Andressa Cutini.


E aí, cê gostou? Se sim, me acompanhe nas redes sociais ☀️
Instagram, Facebook, Pinterest.
morar sozinha antix barrado papoulas blog declara

 

Previous Post Next Post

❤ Você também vai gostar ❤

14 Comentários

  • Responder Paty BookNerd 21 de setembro de 2015 at 10:23 AM

    Acho que ainda pior do que sentir medo, é ver que esses homens acham que não estão fazendo nada demais, achando que nós somos o problema, afinal, ele tá gritando que você é gostosa – no meio da rua – e você tem que se derreter e correr para os braços dele. Ou pior ainda, que acham que nós é que somos erradas por sairmos sem companhia na rua e que isso é um claro sinal de que queremos um homem firme e que venha pra cima mesmo. É triste e doloroso ler isso, porque é verdade.

    View Comment
    • Responder Clara Fagundes 22 de setembro de 2015 at 5:37 PM

      🙁

      Só nos resta continuar vivendo, mas cada vez mais enxergando essa atitude dos homens nas ruas (e em basicamente qualquer lugar) como repressora – como ela sempre foi. Sem nos permitir cair naquele discurso de que tudo é super normal quando não deveria ser.

      View Comment
  • Responder Patricia Leardine 22 de setembro de 2015 at 8:21 PM

    Poxa, um saco isso. Eu já tive que mudar o caminho e o horário por causa do medo de determinadas ruas à noite, de determinadas pessoas. É muito desconfortável! E é triste ver que muitas vezes a pessoa que cometem o assédio consideram natural. Eu também nunca tive problema em morar ou ficar sozinha, mas andar sozinha pode ser um problema muitas vezes.

    View Comment
  • Responder Gi 24 de setembro de 2015 at 1:03 AM

    É meio barra morar sozinha e ficar doente, mas aconteceu 2 ou 3 vezes nos 4 anos em que fiquei só.
    Essa tua lista é barra porque é diária, e não precisa morar sozinha pra passar por ela – é só estar sozinha (ou até com outras mulheres), como tu disse. ;/

    View Comment
    • Responder Clara Fagundes 28 de setembro de 2015 at 2:46 PM

      Acho que é mais frequente ainda em cidades grandes, onde as pessoas não se conhecem e os homens acham que qualquer desconhecida tem um quê de propriedade. Mas, sim, só precisa estar sozinha em público (até porque se a gente tá com o namorado eles chegam a pedir desculpa… pro namorado, claro). Eu fico doente com frequência, pro meu azar, mas, pra minha sorte, gosto de ficar sozinha quando tô doente.

      View Comment
  • Responder Lau 1 de outubro de 2015 at 8:29 PM

    Coisas que toda mulher acaba passando, odeio. Até quando?

    View Comment
  • Responder Bruna Della 3 de outubro de 2015 at 4:48 PM

    Olá,
    Amei teu blog haha agora posso ir para o comentário:
    Confesso que nunca tinha olhado por esse lado. Morro de vontade de morar sozinha mas sempre tive medo de sentir medo sozinha e percebi que o mais perigoso são coisas que acontecem, na real, morando sozinha ou não. Que existem coisas idiotas, pessoas de mal carater e isso sempre existirá eu sozinha ou não.

    Fiquei indignada com algumas coisas que você disse mas depois parei para pensar e: eu também ja passei por isso. E daí fiquei indignada comigo mesma por não ter tomado nenhum tipo de atitude.

    Abraços de luz

    View Comment
    • Responder Clara Fagundes 8 de outubro de 2015 at 2:51 PM

      Bruna do céu, eu li seu comentário, achei a coisa mais linda do Brasil-sil-sil e jurei que tinha respondido. Wtf?
      Bom, primeiro: brigada! <3
      Segundo: morar sozinha por morar sozinha é incrível, tenha medo não. Como cê mesma inferiu do texto, o problema é ser mulher nesse mundinho agressivo e machistinha 🙁
      Terceiro: sim, a gente costuma normalizar coisas que não deveria e até deletar isso da memória, é muito louco. Eu percebi isso quando li a pesquisa Chega de Fiu Fiu!

      View Comment
  • Responder Vanity Martins 29 de outubro de 2015 at 5:10 AM

    Clara, ameii seu texto!! Fui morar sozinha, após uma separação, de fato, o grande problema é quando estamos na rua, pq estar na nossa casa, é libertador!
    Infelizmente, poucas mulheres pensam e refletem sobre o assédio q sofremos na rua, mais do que isso ainda, muitas acham normal, virou rotina receber um “fiu fiu”, “oh! Gostosa” ou aquele olhar q te suga atéa alma. Mas e aí? O q a gente faz? Vira as costas e se priva de ter liberdade, de andar em qualquer rua, qualquer hr, de dormir até mais tarde, pq pegar um trem mais vazio é menos arriscado, de sair sozinha…
    Por essas e outras razões, quando eu chego em casa me sinto liberta.

    View Comment
    • Responder Clara Fagundes 30 de outubro de 2015 at 1:55 PM

      Nossa, você falou tudo, Van: chegar em casa é se sentir livre. E, sim, tenho a impressão de que falta muito pras mulheres “acordarem” pra o problema do assédio… É uma questão muito normalizada na sociedade, né? O que me fez enxergar o problema de verdade, não como uma “coisa chata que acontece”, foi a pesquisa Chega de Fiu Fiu. Cê lembra quando “acordou” pra isso?

      View Comment
  • Responder TOP 5 melhores séries de 2015 | Retrospectiva 2015 - Blog DeClara 22 de maio de 2016 at 10:15 PM

    […] alfa presentes. Fala de cantadas na rua e de historinhas que todas as mulheres já conhecem e pelas quais passamos todos os dias. Tive vontade de apertar as bochechas dele. E, pra coroar, tá no Netflix. […]

    View Comment
  • Responder 5 dicas para mulheres que querem viajar sozinhas - Blog DeClara 11 de setembro de 2016 at 7:11 PM

    […] e fazer algo sozinha muitas vezes pode ser um deles. Seja ir ao cinema, sair para almoçar ou simplesmente andar na rua. (Leia: Não tenho medo de morar sozinha!) Tudo inspira um cuidado especial. Afinal, transpor a […]

    View Comment
  • Responder Precisamos falar sobre a relação entre cabelo e empoderamento! | DC 18 de outubro de 2016 at 6:00 PM

    […] [Leia também: Não tenho medo de morar sozinha!] […]

    View Comment
  • Responder "E seu namorado deixa?", a Revolução Francesa e relacionamentos normais - Blog DeClara 12 de março de 2017 at 9:54 AM

    […] uma mulher que é emocionalmente independente, mora sozinha e namora há 2 anos, eu já. Não quero com isso dizer que foram sempre perguntas maldosas ou de […]

    View Comment
  • Responda