o que é futurologia? futures studies significado origem futurólogo futurista análise de tendências
Explorar, Inspirar

Futurologia 101: o que é futurologia?

Entenda a futurologia: origem e significados

Prever, entender e construir o futuro são desejos coletivos desde as primeiras civilizações. Esses desejos foram representados na história por meio de astrologia, mitologia, religiões, rituais mágicos e diversas outras expressões que, hoje, são consideradasmísticas. O surgimento da futurologia, contudo, marca o momento em que as previsões de futuro passaram da esfera esotérica para a científica, no início do século passado.

A transição abriu espaço para mais questionamentos e interpretações acerca dos futuros projetados. Afinal, ao contrário da relação milenar com os dogmas, mitos e a astrologia, as previsões baseadas emfutures studiesexigem perguntas, múltiplas análises e diferentes campos de conhecimento para se tornarem relevantes.

Futurologia, também chamada defutures studiesoutrend forecasting, é uma ciência social que tem como objetivo estudar e mapear futuros possíveis. Ela passa, naturalmente, pela compreensão da história, de tendências atuais e de uma análise de dados e comportamentos que fortalecerão o potencial de planejar, anos e até décadas antes, os desenvolvimentos acerca de um tema, país, sociedade ou período temporal. As previsões devem ser elaboradas sempre passando por quatro áreas de pesquisa: história, ciência, comportamento e dados.

Outra diferença considerável em relação aos seus antecessores milenares é a responsabilidade social que os futurólogos assumem. A previsão de futuros possíveis deve vir sempre atrelada ao propósito de permitir que o futuro se aproxime, de fato, dos cenários mais otimistas mapeados e, é claro, que seja melhor do que o presente.

Futurologia não é magia. Nenhuma previsão ou tendência será gravada a ferro e fogo. Acontecimentos políticos, culturais, tecnológicos e naturais podem alterar drasticamente o percurso projetado. E, não raramente, alteram.

Porque as tendências costumam ser analisadas com mais de 5 anos de antecedência, as implicações práticas nem sempre serão exatamente como descritas. Ou seja, é factível o futurologista projetar e acertar quanto ao comportamento e às demandas das pessoas, mas não necessariamente quanto às ferramentas ou tecnologias que refletirão essas tendências na sociedade. É o caso, por exemplo, do famoso relatório deFaith Popcorn, que até hoje divide opiniões. Enquanto alguns leitores incautos acreditam que ela “errou mais do que acertou”, podemos encontrar, em 2020, a maioria dastendências comportamentaisidentificadas por ela há quase 30 anos.

Por último, acho fundamental pontuar um erro bastante comum no que diz respeito ao tema. Embora muitos pretensosespecialistas, além de veículos midiáticos, insistam em denominar de “futuristas” os estudiosos do futuro ou de “futurismo” essa ciência social… Futurologia não é futurismo.

Futurologia vs. Futurismo

Futurismo é a escola artística que surgiu em 1909 e terminou na década de 1930. Aquela mesma, que estudamos na escola. O movimento foi iniciado com o Manifesto Futurista, do escritor italiano Filippo Tommaso Marinetti. Influenciou a pintura, a literatura, a arquitetura, a escultura, a música e outras vertentes das artes.

A ciência e o movimento artístico surgiram no mesmo século e, além dos nomes semelhantes, possuem poucos pontos em comum. A proximidade histórica, a exaltação à tecnologia e o desejo de olhar para o futuro resumem as suas semelhanças.

Contudo, estudar o futuro com a mentalidade futurista seria impossível. Afinal, um futurologista, por natureza, precisa ter a capacidade de imaginar, abraçar e construir um futuro melhor, mais diverso e mais saudável para todos.

O movimento futurista, além de, felizmente, ter sido reduzido a um período de tempo, tinha princípios que são contrários aos da futurologia. Como, por exemplo, a glorificação da guerra, da violência, do desprezo às mulheres, do “progresso” em detrimento do meio ambiente e da destruição da história, com sugestões drásticas como “queimar museus, bibliotecas e academias de todo o tipo”.

Portanto, repitam comigo: futurologianãoé futurismo.

Esse é o primeiro artigo da sérieFuturologia 101, em que vou publicar conteúdos diferentes sobre o tema. Para interessadas(os), trabalho como futuróloga freelancer. Também sou criadora e estrategista de conteúdo há 8 anos. Já trabalhei com projetos nacionais, internacionais e em temas diversos. Estou aberta a papos, projetos, jobs e pitacos. Só comentar abaixo ou me enviar um direct. 🙂

Instagram: @blogdeclara| Site:blogdeclara.com

Previous PostNext Post

❤ Você também vai gostar ❤

Sem comentários

Responda