Browsing Category

Sentir

os piores conselhos das comédias românticas tv declara blog declara clara fagundes as maiores mentiras das comédias românticas cinema amor e relacionamentos
Inspirar, Sentir

Os 7 piores conselhos das comédias românticas

Conselhos das comédias românticas para deixar de lado

Eu amo comédias românticas. Nada é mais fofo para um primeiro encontro ou mais aconchegante para uma tarde preguiçosa de domingo. Isso não me impede de notar certos erros comuns a esse gênero que ajudaram a formar a nossa visão de amor e relacionamentos e acabaram nos prejudicando no caminho. Pós-graduada nas romcoms como sou, peguei esses erros comuns e listei os 7 piores conselhos que as comédias românticas nos deram. Clique para ler mais

look declara um café fofo em sp blog declara 4
Sentir

E a boa filha a casa torna

Este texto pretende ser tão direcionado que deveria ser enviado em forma de sms. Isso, claro, se eu soubesse o número de todo mundo que já leu ou ainda lê o que escrevo aqui no Declara. Como não sei e acho até que soaria meio inconveniente, fica aqui em forma de post essa mistura de pedido de desculpas e promessa de dias melhores.

Nos últimos meses, viajei a trabalho, fui assaltada, hackeada, decepcionada, fiquei doente incontáveis vezes, consegui dois projetos legais – e grandes -, lancei a TV DeClara no Youtube e passei a ministrar workshops de fotografia pelo celular, além de fotografar produtos para marcas profissionalmente. No meio dessa bagunça de coisas boas e ruins, entre amigdalites, madrugadas em claro e dores de dente, acabei jogando o Declara de escanteio. E não só o Blog Declara, mas o Instagram e a fanpage também. Mea culpa.

Atordoada como andei, fui deixando de encontrar tempo para a coisa que mais gosto de fazer, que é escrever. Além disso, confesso, o fascínio pela nova plataforma que é o canal e a lentidão com que as coisas acontecem por lá acabaram me desanimando também daqui, onde já sabia e sei que tenho leitoras e leitores fiéis. E que, por isso mesmo, devem continuar sendo a minha prioridade. Me desculpem por ter esquecido disso por alguns tempos atrapalhados.

Então, como nunca gostei de pedidos de desculpas que terminam em si mesmos, começo agora a fase dos agradecimentos, promessas e convites.

Obrigada por terem me enviado e-mails, chamado inbox e até comentado nos posts me chamando de volta. “Ei, quando será o próximo post?” | “Está tudo bem por aí?” | “Saudades de quando tinha posts aqui sempre…”De coração, obrigada por não terem esquecido ou desistindo de mim.

Eu, do meu lado, prometo voltar a publicar 2 posts semanais e a não questionar os resultados que eu já tenho no blog por causa do canal. Não é justo. Prometo continuar respondendo aos e-mails que recebo de vocês, buscar sempre pautas massa para os posts e tirar fotos fofinhas e em tons pastéis para o insta @blogdeclara.

Já a vocês, aí do lado de lá, convido a acompanharem esse retorno e me dizerem sempre o que estão pensando. Eu sei, às vezes parece que a gente simplesmente sabe o que fazer, o que dizer e quando, mas, na verdade, queria que soubessem que mais importante do que eu falar é entender o outro lado, é trocar e aprender junto. Por isso, conversem comigo. Aqui, no insta, na fanpage, no canal, nos stories. Conversem comigo para que o DeClara, em qualquer um dos seus formatos, fique cada vez melhor – e cada vez mais nosso, sim?

Se a sua resposta for sim, deixe isso abaixo nos comentários ou quaisquer ideias e pitacos que cês sintam vontade de compartilhar comigo, tá bem?

Um beijo e obrigada sempre,

Clarinha 🌟


Me acompanhe nas redes sociais, sim?
Instagram, Facebook, Pinterest.
antix barrado papoulas blog declara toda garota de 20 anos grande amor
Conheça o meu canal no Youtube!
declaração de quase-amor clara fagundes blog declara conto de bolso textos pessoais fraturas expostas
Sentir

Uma declaração de quase-amor

Ninguém costuma falar sobre os amores que quase foram, né? Eles acabam por não ter espaço, entre tantas histórias de amor grandiosas ou em competição com os trágicosamores que terminam todos os dias ao redor do mundo. Mas, hoje, eu venho fazer a minha homenagem aos amores que ficaram presos entre “e ses” e desencontros de timings. Aos amores que teriam acontecido se. Venho fazer a minha primeira e última declaração de quase-amor.

Ao meu quase-amor, que quase me aqueceu no inverno chuvoso de São Paulo. Que teria me apresentado aos jogos do Timão, ao fotogênico Horto Florestal e me levado ao bar mais lotado da Vila Madalena para comer pastel de rodízio.

Ao meu quase-amor, com quem por pouco não viajei num fim de semana qualquer no verão e com quem teria conhecido o mundo se o quase não nos fosse, assim, um companheiro de viagem inseparável como nenhum outro.

Ao meu quase-amor, o meu “e se” favorito, o meu encontro mágico que acabou se transformando em uma boa história para contar – como acontece com todas as coisas mágicas do mundo, se formos parar para pensar. Junto com os contos de fadas, elfos, duendes e bruxas guardarei com brando afeto também essas frases meio tortas sobre o quase-amor, esse ser tão mágico e intangível quanto um unicórnio. Clique para ler mais

grande amor blog declara
Sentir

Eu não quero viver um grande amor

Não quero viver um grande amor

Sem pensar muito ou recorrer ao Google, listo algumas das maiores histórias de amor da literatura: Paris e Helena, Tristão e Isolda, Romeu e Julieta, Eros e Psiquê, Anna Karenina e Vronsky, Orfeu e Eurídice, Medeia e Jasão. Todas, sem exceção, terminam em tragédia.

No cinema, outro desfile: Gerry e Holly (P.S.: Eu te amo), Vada e Thomas (Meu Primeiro Amor), Landon e Jamie (Um amor para recordar), Sylvia e James (Em busca da Terra do Nunca), Katie e Hubbel (Nosso amor de ontem), Guido e Dora (A vida é bela), Georges e Anne (Amour), Jack e Rosa (Titanic).

Não vou sequer entrar no mérito das músicas, da televisão e dos mangás – e nem preciso. As mais lindas histórias de amor são tristes.

Os românticos, autores pertencentes à escola literária dos grandes romances ocidentais, viravam noites e dias cantando as belezas dos amores impossíveis. Dos amores difíceis, sacrificantes, doídos no coração. Os Grandes Amores™. Clique para ler mais

eu não sei falar de amor blog declara clara fagundes blog de comportamento
Sentir

Eu não sei falar de amor

Nunca soube falar de amor

Quem me conhece, sabe bem: não me faltam palavras. Posso manter uma conversa sem qualquer adrenalina mental sobre cabelos, política, viagens, família, sonhos, religião, culinária. Consigo discorrer longamente sobre filmes, livros, programas de TV, músicas, artigos acadêmicos e memes moderninhos. Analisar a fundo as notícias falsas que se espalham nas redes sociais e formar opiniões profundas sobre quase qualquer assunto que seja jogado na mesa. Mas eu não sei falar de amor.

Confesso. Aspirante a escritora que sou, já tentei por diversas vezes dispor palavras e frases e pontos continuando em rascunhos romantizados. Já me peguei anotando frases soltas em guardanapos de papel e decorando pequenos fragmentos textuais que se formaram durante o banho. Porém, falar de amor, amor mesmo, como é, nunca consegui.

Hoje, quando olho para trás, me pergunto se essa grande dificuldade não vinha da minha ignorância frente ao sentimento mais famoso de todos. A gente se engana, não é mesmo? A gente se engana ao cair de amores por histórias de cinema, músicas românticas e contos felizes por aí. A gente se engana que o que quer sentir é, de fato, o que a gente sente.

E aí eu conheci você. Clique para ler mais