Explorar, Inspirar

13 motivos para NÃO amar morar em São Paulo!

Como, a essa altura do campeonato, vocês já sabem, eu não nasci em São Paulo. Sou nordestina e vim morar aqui há cinco anos, sempre me cercando de outros forasteiros. Essa lista com 13 motivos para não amar morar em São Paulo, portanto, é resultado da mistura de vários pontos de vistas de residentes nem tão recém-chegados à cidade. Não é um ultimato, não foi feita a ferro e fogo. É mais um compilado das minhas experiências com as diversas conversas que tive nos últimos anos por aqui com pessoas do país inteiro.

Antes que alguém me pergunte: sim, gente, eu amo morar em São Paulo. E, inclusive, já fiz uma lista aqui com 17 motivos para amar morar em São Paulo, do mesmo jeitinho: mix de conversas com amigos, amigos de amigos e das minhas próprias descobertas. Por causa desse primeiro post, recebi vários e-mails de pessoas de outros estados que estavam de mudança e que queriam saber um pouco mais da minha experiência e, é claro, do lado ruim ou, ao menos, do lado não tão bom de morar em São Paulo.

Espero que cês gostem, que se identifiquem e que deixem seus pitacos e perguntas lá embaixo nos comentários. ?

1. O trânsito

13 motivos para não amar morar em São Paulo

Foto: Zé Carlos Barretta.

Nenhum noticiário, textão no Facebook ou reclamação de bar jamais conseguirá descrever como o trânsito de São Paulo é de sugar a alma e a alegria de viver. Uma vez levei 3h do meu antigo trabalho até a USP, numa distância de 8,5km. 2h levei várias vezes. Houve situações em que simplesmente desci e decidi andar 6km até em casa, em meio às ladeiras que parecem montanhas da Vila Madalena, mesmo sem saber direito o caminho e com medo de ser assaltada. O trânsito de SP é isso. Me vem sempre a questão: ir sozinha à noite sob o risco de me perder ou perder 2h da minha vida neste ônibus? Mais amor metrô, por favor, é só o que peço.

2. As distâncias

Onde vai ser o show? no Citibank Hall.

– Onde vai ser o show?” R: “No Citibank Hall. Afe.”

São Paulo é grande demais. Isso pode ser um ponto positivo, pela variedade de opções, mas também pode ser bem chato. É muito rara aquela coisa fofa de ir andando até a casa dos amigos ou mesmo de dizer “tô indo” saindo de casa e não chegar 1h depois. Isso acaba te limitando bastante, já que você vê algo legal acontecendo na cidade, joga no mapa e está a 15km de você. Blé. 

3. Os preços

Desista dos frutos do mar, dos rodízios de carne e das sorveterias baratinhas, aqui os preços são de chorar. Uma bolinha de sorvete, R$11. Um prato individual de massa com camarão, R$90. Um rodízio de carnes, R$120. Claro que tem a ver com a região onde moro e que há exceções, mas para quem veio de um lugar onde uma boa moqueca de camarão e ostra para 3 pessoas custa R$90… Ai. E aqui ainda há outra coisa chatona: um novo restaurante abre e é um achado: preço bem bom, boa localização, tudo belezinha. Se fizer sucesso, pode esperar: 4 meses depois já estará cobrando 20% a mais, 8 meses depois, 40%… Até ser só mais um restaurante caro. Vi esse fenômeno acontecer infinitas vezes desde que vim morar em São Paulo.

4. “Cada um por si”

13 motivos para não amar morar em São Paulo

Foto: Gustavo Gomes.

Já tô até ouvindo: “mas não é todo mundo”. Sim, não é todo mundo, mas ainda assim é muita gente. Aqui em São Paulo eu sempre me impressiono com a cultura de *é cada um por si*. Talvez eu seja sensível demais, ok, mas continuo achando meio triste. Já vi pessoas perdidas e ninguém parando para ajudar, gente que derrubou coisas no chão e ninguém nem diminuiu o passo, gente dormindo na última estação do metrô sem receber um aviso, amigos que têm carro e não dão carona nem pro metrô no final do rolê à noite, senhorinhas em pé enquanto mil jovens fingem dormir no ônibus e no metrô. Enfim, a sensação de frieza e de indiferença é geral. A minha gentileza eu garanto e não espero de verdade nada em troca, mas queria muito que fosse mais generalizada. Já até escrevi sobre gentilezas do dia a dia aqui.

5. Não tem praia

Foto: Naira Mattia.

Foto: Naira Mattia.

É.

6. O verão (inclusive os que vêm fora de época)

Foto: Klaus Jessen.

Foto: Klaus Jessen.

O verão de São Paulo é o treinamento do inferno na Terra, tenho certeza. Não há praias, não há vento, mas há temperaturas de mais de 30 graus quase todos os dias e ainda TEMPESTADES à tarde. Na boa. Calor de matar até umas 15h, depois chuva de fazer enchente até a noite. Sabe quando o carro fica no Sol durante horas, você entra e fecha as portas? É essa a sensação, só que do lado de fora. Ou, o que já é um pouco melhor (mas ainda um saco se você não estiver dentro de casa), um dia inteiro de chuva.

7. O preconceito velado

cês me desculpem o trocadilho

cês me desculpem o trocadilho

Sempre recebo e-mails perguntando isso: e existe preconceito? A resposta é: sim, mas é um preconceito geralmente disfarçado. Igualmente irritante, só que menos perigoso, ainda bem. Um tal de falar “nordestino é isso ou aquilo, mas você é diferente” ou “acho seu sotaque tão engraçado porque aqui em São Paulo não temos sotaque“, “ouvi dizer que mulher nordestina é fogosa, é verdade?”, etc. Andei pensando em fazer um post sobre isso – as coisas que já ouvi aqui em SP -, cês leriam?

8. O bairrismo

Outro tópico que daria um texto inteiro. O bairrismo de SP está em todos os âmbitos da organização social. Está nos moradores de um bairro que fizeram um abaixo assinado para tirar a exposição de um museu porque ela estava “atraindo muita gente”, “criando muvuca” na região. Está nos moradores de outro que lutaram pra NÃO ter um metrô no bairro porque iria atrair muita *gente diferenciada*. Está nos moradores de outra região que ficaram possessos com a abertura da Avenida para lazer aos domingos. Está no chororô dos motoristas contra as faixas de ônibus e contra as ciclovias. E está nos incontáveis paulistas que acham que “tudo acima de Minas Gerais é Bahia“. Sim, eu já ouvi isso. “Ah, mas é tudo a mesma coisa”. 

9. A concentração de renda

A Favela Real Parque x o bairro nobre Real Parque.

Foto: Carta Capital. A Favela Real Parque x o bairro nobre Real Parque.

Vizinha do bairro nobre Real Parque no Morumbi, a favela Real Parque. Em plena Rua Oscar Freire, várias famílias de moradores de rua. Ao lado do Higienópolis, um dos bairros mais ricos de São Paulo, a Cracolândia. E por aí vai. A diferença gritante entre o rico e o pobre permeia a cidade e é triste de se ver.

10. Os taxistas péssimos

13 motivos para não amar morar em São Paulo

Imagem: Shelley Savor.

Taxistas péssimos não são exclusividade daqui, mas é impossível não citar a categoria como um dos motivos para não amar morar em São Paulo. Especialmente para quem vem de fora: prepare-se para trajetos longos em curtíssimas distâncias, espertezas sem fim e a desculpa de “não ter troco”. Quando ouvem um sotaque diferente, os taxistas paulistanos quase sempre te tomam por trouxa e decidem dar voltas infinitas para chegar ao destino. Recomendo usar o Waze. Ou o Uber. Se cês tiverem histórias com taxistas péssimos, contem abaixo nos comentários! ?

11. O governo

Aham.

Aham.

Não vim aqui discutir política, mas o que dizer de um governo estadual que sabia com uma antecedência de mais de uma década que viria a seca e deixou que ela assolasse a cidade mesmo assim? Ou de um governo que promete novas linhas e estações de metrô há tanto tempo que a construção de algumas delas, como as da Linha 4, já duram quase 12 anos? Gente, pensem bem, esses metrôs já deveriam estar no Ensino Fundamental 2! Só de pensar tenho raiva.

12. O cosmopolismo (e a ausência de identidade)

13 motivos para não amar morar em São Paulo

Outro tópico que também já citei como um dos motivos para amar morar em São Paulo, mas que tem seu lado ruim. Isso porque, entre tantas culturas, entre tantos bairros e em meio a tanta diversidade, parece que São Paulo não tem identidade. Não tem rituais, raízes, tradições, culinária típica, nada que seja genuinamente daqui. É uma mistura das identidades de vários povos imigrantes, mas sem assumir nenhuma como a cultura paulistana. O drama das grandes metrópoles desse mundo globalizado, né.

13. Trabalho, trabalho, trabalho 24/7

Muitos dos paulistanos que conheço e que as pessoas que eu conheço conhecem vivem para trabalhar. É um sistema que eu acho insano: ser pago para trabalhar 8h e trabalhar 16h, falar só sobre trabalho na hora do almoço e aos fins de semana, levar trabalho pra casa todos os dias, pensar em trabalho da hora que acorda até a hora de dormir, não ter tempo pra nada porque está saindo do trabalho 4h mais tarde do que deveria. Cruz credo. Não me levem a mal, eu gosto muito de dinheiro, mas eu não acho que compensa trabalhar sem fim para não sobrar tempo pra mim. Até rimou. Fim.

Foto principal: Naira Mattia. 


Se você gostou deste post, leia também os 17 motivos para amar morar em São Paulo!

Me acompanhe (em SP e pelo mundo) nas redes sociais ?
Instagram, Facebook, Pinterest.

antix barrado papoulas blog declara

Previous Post Next Post

❤ Você também vai gostar ❤

29 Comentários

  • Responder Felipe Coelho 12 de janeiro de 2016 at 3:27 PM

    Apesar de ainda me considerar um garoto do interiorrrr, me identifiquei demais com esse texto! Todas as coisas que eu mais reclamo estão nele!

    View Comment
  • Responder Camila Tuan 12 de janeiro de 2016 at 10:22 PM

    Larguei a vida em São Paulo e fez MUITISSIMO bem pra mim.
    Estava cansada do trânsito, trabalhava perto de casa, mas ainda gastava 1 hora e pouco no trajeto, agora gasto 10 à 15.
    Já que lá não tem praia, me mudei pra uma.
    Olha o Citibank Hall até é perto da tua casa uahauahauah, de onde eu morava era 40 km distante, então imagina o tanto de tempo.

    Bem não sinto saudades de SP por essas e outras.
    Gostei muito do tema abordado no post.

    Beijos

    View Comment
  • Responder Simone 13 de janeiro de 2016 at 11:17 AM

    Eu leria sim, sobre coisas que você ouviu em São paulo, rs. Eu só fui aí em viagens com meu pai, conheço pouco, mas achei o post muito rico em informação e com certeza vai ajudar muita gente que está de mudança. E esse “cada um por si” é muito triste eim, graças a Deus eu faço a minha parte para um mundo mais gentil
    http://www.charme-se.com/

    View Comment
  • Responder Juliana 13 de janeiro de 2016 at 11:24 AM

    Oi, Clara! Achei o post genial, as sacadas sobre a cidade são muito boas e adorei conhecer um pouco sobre SP, nunca fui e pretendo ir um dia pra turistar. Meu marido viaja praí à trabalho pelo menos 1 vez por ano e ele diz como é loucura, rs, pelo menos ele fica num hotel que dá pra ir andando pro trabalho xD Acho uma cidade meio triste e cinza, mas tem seu glamour. Eu adoraria ler um post sobre o “preconceito”, acho que renderia MUITO, rs. O calor por aí deve ser infernal mesmo e não ter praia, eu acho que não viveria num lugar sem praia xDDD

    Beijos!

    View Comment
  • Responder Camila Faria 13 de janeiro de 2016 at 12:26 PM

    Oi Clara, acho que tirando o lance da praia, dá pra trocar o nome lá no título do post e substituir por “Rio de Janeiro”, viu? Temos praticamente os mesmos problemas por aqui, deu até uma tristeza… O negócio é a gente tentar fazer a diferença, ver o lado positivo das coisas… para não pirar! :/

    View Comment
  • Responder Entre Anas 27 de março de 2016 at 10:41 AM

    Concordo com cada ponto citado! Nasci em São Paulo, mas pretendo sair quando puder – espero que seja em breve!
    Por mais que falem que aqui temos opções de lugares e tudo ao nosso alcance, de que adianta se você precisa se matar de trabalhar e ainda ganha pouquíssimo? Ou se não tem carro e precisa enfrentar 2h de transporte público ruim para chegar em algum lugar? Não adianta, SP não me convence! Acho muito difícil ter qualidade de vida aqui 🙁

    View Comment
    • Responder Clara Fagundes 28 de março de 2016 at 11:13 PM

      Nossa, sim, ritmo de trabalho + trânsito são de sugar a nossa alma.

      View Comment
      • Responder Bruno 29 de setembro de 2017 at 3:34 PM

        Oi Clara. Gostei MUITO dos seus textos (os pontos positivos e negativos da cidade), eu estou lendo MUITA coisa em relação a SP, muita pesquisa, pois pretendo me mudar ano que vem para estudar, entretanto ainda estou em dúvida se vou ou não. Sabe aquele “medo” (ou MEDO mesmo rs), uma insegurança com tudo, com o trânsito, se vou ter grana (mesmo meu pai pagando moradia), com o transporte público, como vou “me virar”… Não sei o que fazer.. moro em uma cidade do interior de 100 mil habitantes, nasci aqui e já gostei demais, porém nos últimos anos já não me encontro aqui, estou infeliz, insatisfeito com tudo, minha vida não anda, apesar disso, sei como me locomover, o custo das coisas é relativamente barato, trânsito zero, transporte público razoavelmente eficiente, mas SP me desperta curiosidade, a cultura, a vida noturna, entretenimento, enfim várias coisas, sem falar que seria um pu** chance de “crescer” como ser humano. A maioria da família, “conhecidos”, não apoia, dizem que é loucura, que “não é vida”.. SOCORRO !!!! Eu simplesmente NÃO SEI o que fazer, estou perdido rs penso até em buscar ajuda psicológica. O q vc me diria? Passou por isso? Teve esses sentimentos? Obrigado pela atenção !

        View Comment
        • Responder Carlos Eduardo Prado 8 de outubro de 2017 at 9:38 PM

          Minha Dica fera: Sai de SC no começo desse ano, uma cidade parecida com a sua, para ir para SP, e lhe digo, vai e viva! Me arrependo de não ter ido antes, tenho 20 anos e sempre morei com meus pais, sempre estive na zona de conforto e cara não é facil viver sozinho aqui (sozinho não, tenho que dividir quarto), vim pra cá, sou modelo, trabalho de bar para ajudar pagar contas estou me reconhecendo, ganhando dinheiro,e seu pai ainda vai pagar sua moradia, aceite somente no começo, quando estiver ganhando alguma grana comece a pagar todas as suas conta, eu vim pra cá depois do fim do meu relacionamento, ainda quero morar na praia, então minha dica pra vc é vá viver irmao! O começo é dificil, mas depois tudo melhora! Sucesso

          View Comment
  • Responder 17 motivos para amar morar em São Paulo - Blog DeClara 21 de maio de 2016 at 7:05 PM

    […] Se você gostar deste post, provavelmente vai gostar de saber também desse: 13 motivos para não amar morar em São Paulo!  […]

    View Comment
  • Responder Você não é o seu trabalho - Blog DeClara 29 de maio de 2016 at 6:27 PM

    […] E aí, como anda o trabalho? O Trabalho vai bem, andando com as próprias pernas. Você viu a foto que ele postou ontem? Aliás, ele vai ser pai, uma menininha está a caminho! O Trabs, apelido carinhoso, também acabou de receber uma promoção no emprego, virou vegano, cortou o cabelo, comprou uma passagem para Austrália. Está ótimo! E você, como anda? […]

    View Comment
  • Responder Paula 15 de agosto de 2016 at 1:50 PM

    Sou de SP e gostei dos seus pontos, que de fato são super coerentes. Eu gosto daqui e não me mudaria, mas imagino que para quem já é daqui seja mais simples aceitar essas coisas, afinal, sempre foi assim. Tudo tem seu ponto positivo e negativo, né, inclusive esse do globalismo que você citou. Eu já tentei mudar meu estilo de vida por conta desses pontos citados: trânsito e trabalho. É difícil tentar mudar de vida, mas é possível, meu foco é trabalhar de casa autonomamente e ter mais tempo para mim mesma. Esse negócio de viver pra trabalhar é algo que quando você se dá conta que não é dona do seu tempo te faz entrar em depressão, mas eu estou tentando mudar isso para mim, mas não necessariamente pensei nisso como um problema da cidade em si (provavelmente pq encarava como algo “natural”)

    View Comment
    • Responder Clara Fagundes 6 de dezembro de 2016 at 4:19 PM

      Sim, Paula! Isso é muito interessante. A maioria dos meus amigos e colegas só passaram a questionar algumas coisas quando eu, que sou de fora, cheguei e perguntei: “mas por quê?” ou “mas vocês acham isso normal?” Era uma coisa tão rotineira pra eles que nem notavam que fazer 2, 3, 4 horas extras por dia sem sequer ter banco de horas não deveria ser normal.

      View Comment
  • Responder Paulo Henrique 6 de setembro de 2016 at 11:03 PM

    Gostaria de saber sobre a violência, e como a polícia é vista pela população de bem.

    View Comment
  • Responder Kaio Moreira 27 de novembro de 2016 at 11:42 AM

    Oi! eu gostei do post, mas quero sim morar em Sp… li o post para já ir me preparando psicologicamente… mas tô com uma coisa na cabeça… esse último tópico; por quê isso acontece? Por quê as pessoas por aí são tão alucinadas com o trabalho? É uma necessidade? Para arcar com o alto custo de vida é necessário trabalhar muito além do que devia?

    View Comment
    • Responder Clara Fagundes 6 de dezembro de 2016 at 4:17 PM

      Kaio, não sei bem, acho que faz parte do ritmo da cidade. A concorrência é grande, existem muitas pessoas bem qualificadas e acho que isso acaba gerando um clima de medo geral, além do fato de que o trânsito, muitas vezes, te deixa “preso” no escritório para não passar 2 horas parado no mesmo lugar, sabe? Além disso, a maioria dos chefes é bastante cobrado e repassa isso para os outros funcionários, meio que esperando que façam sempre “a mais”.

      View Comment
  • Responder Ciccero Klima 6 de dezembro de 2016 at 3:35 PM

    Conheço o Brasil um pouco, de idas e vindas a todas as capitais (fora Noronha) e não difere muito de São Paulo; paulistano que sou entendo que a sociedade é quem muda não a cidade, se você aceita e vai “ficando” então é notório que não há impossíveis para você; Tranquilamente mudaria de São Paulo, mas isso não quer dizer que serei pacífico em outros lugares; Se, um paulistano viver em Brasilia, Manaus, norte ou nordeste vai morrer de raiva, aquele “anordestinado surrealista” que existe em outros lugares dalém de MG ou qualquer outro lugar do Brasil (fora o sul do Brasil) tipo: mainha, painho, nhenhém. meu nêgo, bora lá, meu rei, e poraí vai….é triste, paulistano não aguenta isso.

    View Comment
    • Responder Clara Fagundes 6 de dezembro de 2016 at 4:20 PM

      Que bom que cê veio no meu post ser preconceituoso. Realmente, muito pertinente! 🙂

      View Comment
    • Responder Ruy 28 de dezembro de 2016 at 11:22 AM

      Mané … horrível seu comentário …
      Sou mineiro , e não suporto o achismo paulistano …
      Pensam que são os melhores do mundo … porem não tem a liberdade confiar em seus vizinhos , sair e deixar a casa aberta , permitir que seus filhos brinque na rua … conhecer e fazer amigos pra vida toda .
      Um bando de individualista que não compartilham felicidade .

      View Comment
      • Responder Clara Fagundes 8 de janeiro de 2017 at 10:26 AM

        Ruy, que demais que você é mineiro!
        Está em SP há quanto tempo?
        Sim, por vezes é difícil conviver com alguns paulistanos…
        Ainda bem que também tem muita gente massa, né?

        View Comment
        • Responder Bruno 29 de setembro de 2017 at 3:33 PM

          Oi Clara. Gostei MUITO dos seus textos (os pontos positivos e negativos da cidade), eu estou lendo MUITA coisa em relação a SP, muita pesquisa, pois pretendo me mudar ano que vem para estudar, entretanto ainda estou em dúvida se vou ou não. Sabe aquele “medo” (ou MEDO mesmo rs), uma insegurança com tudo, com o trânsito, se vou ter grana (mesmo meu pai pagando moradia), com o transporte público, como vou “me virar”… Não sei o que fazer.. moro em uma cidade do interior de 100 mil habitantes, nasci aqui e já gostei demais, porém nos últimos anos já não me encontro aqui, estou infeliz, insatisfeito com tudo, minha vida não anda, apesar disso, sei como me locomover, o custo das coisas é relativamente barato, trânsito zero, transporte público razoavelmente eficiente, mas SP me desperta curiosidade, a cultura, a vida noturna, entretenimento, enfim várias coisas, sem falar que seria um pu** chance de “crescer” como ser humano. A maioria da família, “conhecidos”, não apoia, dizem que é loucura, que “não é vida”.. SOCORRO !!!! Eu simplesmente NÃO SEI o que fazer, estou perdido rs penso até em buscar ajuda psicológica. O q vc me diria? Passou por isso? Teve esses sentimentos? Obrigado pela atenção !

          View Comment
  • Responder Douglas de Brito Oliveira 21 de janeiro de 2017 at 8:25 PM

    Sou de São Vicente e outra coisa que percebo também por parte dos paulistanos é a generalização da Baixada Santista: “Ah, ele mora na praia.” Ou então, de uma forma um pouco menos pior: “Ah, ele mora em Santos!” Parece que a Baixada Santista é composta de praia e, pros fãs de futebol, o Estádio da Vila Belmiro e o museu do Pelé… Que saco!

    View Comment
    • Responder Douglas de Brito Oliveira 21 de janeiro de 2017 at 8:47 PM

      Quer dizer, “que saco” não… Eu levo isso com bom humor, mas nunca é bom generalizar, né…

      View Comment
    • Responder ruy 23 de junho de 2017 at 8:15 AM

      Sim , tem muita gente boa .
      Porem , muitos dos que nascem em São Paulo se acham superiores ao resto do país sem levar em consideração a qualidade de vida em outra cultura … onde não existe o pensamento capitalista .

      View Comment
  • Responder mike 27 de maio de 2017 at 11:46 PM

    Ruy, qual lugar do país vc realmente pode sair e deixar a porta aberta? isso é mentira! não existe lugar totalmente seguro por aqui. e isso de preconceito com uma coisa ou outra não é típico de paulistano e sim de brasileiro! infelizmente, q tem orgulho de algumas coisas boas mas não se abre sensivelmente para q a mente flua de vdd, sou seja. no caso do post, acredito q a cidade de SP tenha sim sua própria cultura q é formada justamente pelo glamour existente, pela arte produzida e pela força econômica. se o brasileiro se desenvolvesse em todos os aspectos não haveria tanta dificuldade( pois o problema é o país em si e não uma parte dele ) e sp seria ainda mais legal.

    View Comment
  • Responder Kaneva 22 de junho de 2017 at 6:49 PM

    Parabéns!!! Esclareceu o que eu já via só assim, de longe!
    Mesmo havendo pontos positivos, os negativos os sobrepõe com tanta ignorância que “dói”.
    Não se se já escreveu, mas eu leria sobre “o que falam dos nordestinos” (algo assim que mencionou)!

    View Comment
  • Responder MoDi Gastronomia: o melhor happy hour de SP! | Blog DeClara 23 de setembro de 2017 at 1:57 PM

    […] mas onde um jantar custasse menos de R$50. Quem mora aqui em SP sabe que essa não é a missão mais simples do mundo, ainda mais se formos considerar as alternativas localizadas em áreas nobres da cidade. E foi […]

    View Comment
  • Responder Thiago M D Carvalho 26 de setembro de 2017 at 12:50 PM

    é dificil morar em Sp, se você é funcionario e tem contas pra pagar como agua, luz, aluguel, faculdade e etc.

    se voce tem uma empresa bem sucedida, vale muito a pena, pois com dinheiro, voce faz mais dinheiro,
    em um lugar onde tem tudo.

    mas que possui custos alitissimos,

    alugueise casas altissimos

    voce tem acesso a tudo, mas tudo é muito caro
    as boas empresas estão aqui,

    mas voce sempre tem a sensação de que tem uma conta, ou algo em aberto para pagar, como funcionario.

    lazer é caro, tudo caro.

    View Comment
  • Responder Bruno 29 de setembro de 2017 at 3:32 PM

    Oi Clara. Gostei MUITO dos seus textos (os pontos positivos e negativos da cidade), eu estou lendo MUITA coisa em relação a SP, muita pesquisa, pois pretendo me mudar ano que vem para estudar, entretanto ainda estou em dúvida se vou ou não. Sabe aquele “medo” (ou MEDO mesmo rs), uma insegurança com tudo, com o trânsito, se vou ter grana (mesmo meu pai pagando moradia), com o transporte público, como vou “me virar”… Não sei o que fazer.. moro em uma cidade do interior de 100 mil habitantes, nasci aqui e já gostei demais, porém nos últimos anos já não me encontro aqui, estou infeliz, insatisfeito com tudo, minha vida não anda, apesar disso, sei como me locomover, o custo das coisas é relativamente barato, trânsito zero, transporte público razoavelmente eficiente, mas SP me desperta curiosidade, a cultura, a vida noturna, entretenimento, enfim várias coisas, sem falar que seria um pu** chance de “crescer” como ser humano. A maioria da família, “conhecidos”, não apoia, dizem que é loucura, que “não é vida”.. SOCORRO !!!! Eu simplesmente NÃO SEI o que fazer, estou perdido rs penso até em buscar ajuda psicológica. O q vc me diria? Passou por isso? Teve esses sentimentos? Obrigado pela atenção !

    View Comment
  • Responda